Notícias do Setor

Crise do setor elétrico custou R$ 105 bi

Folha de SP 04/11/14

 

Machado da Costa

 

Desde que o governo federal publicou a medida provisória 579, a fim de reduzir os preços da energia, foram perdidos R$ 105 bilhões, segundo cálculos feitos pelos especialistas Adriano Pires, do CBIE (Centro Brasileiro de Infraestrutura), e Mário Veiga, da consultoria PSR.

O valor é equivalente a um ano de receitas das distribuidoras de energia.

A perda bilionária foi causada pelo desequilíbrio entre receitas e despesas das distribuidoras, pela baixa geração de energia por usinas hidrelétricas e pelas indenizações pagas às empresas que aceitaram renovar as concessões de usinas e linhas de transmissão por meio da MP.

Por causa da medida, a maioria das distribuidoras ficou sem energia suficiente para fornecer a seus clientes. Para contornar o problema, elas foram obrigadas a recorrer ao mercado de curto prazo, segmento no qual a energia é mais cara.

O pequeno volume de chuvas acentuou a crise. O preço da energia do mercado de curto prazo (o PLD –preço de liquidação das diferenças) é calculado principalmente sobre a expectativa de água afluente nos reservatórios.

A partir de fevereiro, o PLD esteve próximo do teto permitido em lei, de R$ 822,83 por megawatt-hora.

Os autores ressaltam que 60% do valor será pago pelos consumidores de energia, por meio de aumentos nas tarifas. Os outros 40% serão arcados pelos contribuintes.

FEITO ÁGUA

Segundo os especialistas, em 2013, o governo gastou R$ 20 bilhões entre repasses às distribuidoras (R$ 10 bilhões) e indenizações (outros R$ 10 bilhões) às empresas que aceitaram renovar concessões por meio da medida.

Em 2014, os gastos subiram para R$ 54,9 bilhões, principalmente pelos efeitos do pequeno volume de chuvas.

Com o aumento do PLD, os repasses às distribuidoras subiram para R$ 21,8 bilhões.

Outros R$ 10 bilhões foram gastos com indenizações.

Além disso, um outro prejuízo, de R$ 23,1 bilhões, apareceu neste ano: o de geradores de energia que não conseguiram gerar eletricidade suficiente para honrar seus contratos.

Os autores ainda incluem na conta uma projeção de perdas de R$ 30,5 bilhões para o próximo ano.

O uso permanente de usinas térmicas custarão R$ 8,5 bilhões e outros R$ 22 bilhões precisarão ser gastos em indenizações às empresas.

Pires afirma que os números mostram que essa é uma das maiores crises vividas pelo setor elétrico na história. "O racionamento em 2001 causou um rombo de R$ 25 bilhões. Essa crise, sem racionamento, já custou quatro vezes mais", diz.

fmase

Hoje, o Fórum de Meio Ambiente do Setor Elétrico - FMASE conta com 19 entidades na sua formação, e é uma das principais vozes do setor para tratar das questões ambientais referentes aos empreendimentos de geração de energia.


Leia mais...

ABIAPE | Associação Brasileira dos Investidores em Autoprodução de Energia

SCN Quadra 4 Ed. Centro Empresarial Varig Sala 101 CEP: 70714-900 Brasília/DF
Tel/Fax: (61) 3326-7122 | E-mail: O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

 

abiape