Notícias do Setor

Meio ambiente: o outro lado das hidrelétricas

Carolina Medeiros, da Agência CanalEnergia, Especial Meio Ambiente

Se não é possível evitar os impactos, que, pelo menos, eles sejam mitigados. Nenhuma obra de infraestrutura tem impacto zero, ainda mais se essa obra for de uma usina hidrelétrica. Mas se o projeto é essencial e prioritário para o país, existem maneiras de realizá-lo minimizando seus efeitos negativos para o meio ambiente e para a sociedade e de forma a levar desenvolvimento para a região onde ficará localizado, visto que sua construção envolve uma quantidade enorme de recursos, abre postos de trabalho, promove a capacitação de mão-de-obra, movimentando, portanto, a economia local.

É de conhecimento geral que a maior parte dos aproveitamentos hidrelétricos remanescentes estão na região Amazônica. De acordo com dados do Plano Decenal de Energia 2021, os projetos de UHEs indicados, que ainda não foram leiloados, somam 19.673 MW, sendo que a maior parte deles encontra-se na região Norte. Isso sem contar com as usinas que já foram leiloadas e que já estão em construção, como as hidrelétricas do Rio Madeira - Santo Antônio (RO, 3.150 MW) e Jirau (RO, 3.750 MW) -, Belo Monte (PA, 11.233 MW), Teles Pires (MT, 1.820 MW), Ferreira Gomes (AP, 252 MW), Colíder (MT, 300 MW) e Santo Antônio do Jari (AP, 373 MW). A hidrelétrica de Santo Antônio, inclusive, já está em operação. Por ser uma região sensível, com áreas de preservação ambiental, a construção desses empreendimentos vem levantando discussões acaloradas sobre sua real necessidade e os gastos na área socioambiental são cada vez maiores.

O governo não abre mão de construir hidrelétricas no país, que tem uma energia mais barata do que a produzida por termelétricas, além de ser uma energia limpa e renovável. Mas, cada vez mais, esse tipo de empreendimento vem encontrando resistência por segmentos da sociedade, dificultando a licitação desses projetos. Marcelo Moraes, presidente do Fórum de Meio Ambiente do Setor Elétrico, avalia que existem três vetores de dificuldade na construção de uma hidrelétrica na Amazônia: o ambiental - que é conseguir fazer um empreendimento que conviva bem com a floresta amazônica -; o social - que é lidar com as comunidades envolvidas, que são os ribeirinhos, indígenas, quilombolas -; e o político - que envolve as demandas dos municípios atingidos, com obrigações fora do licenciamento ambiental, mas que acabam sendo realizadas como escolas, hospitais, estradas, entre outras.

"Hoje, o governo está tendo dificuldades no trato com as comunidades indígenas. Recentemente, eles proibiram os estudos no Tapajós. O governo teve que entrar com proteção da força nacional para poder fazer os estudos de viabilidade. Então, se percebe que é algo muito mais ideológico do que socioambiental propriamente dito", apontou Moraes. Segundo ele, a partir do momento em que se proibe um técnico de fazer um estudo para saber se o empreendimento é viável ou não, quer dizer que não se concorda com o projeto por melhor que ele seja. "Antes de saber qual o impacto que o projeto vai trazer, já existem movimentos de discordância. Isso mostra o radicalismo que o Brasil tem enfrentado nos últimos anos", declarou.

Radicalismo contra usinas hidrelétricas

Marcelo Moraes, do FMASE

Alexei Vivan, presidente da Associação Brasileira das Concessionárias de Energia Elétrica, acha que seria importante existir por parte dos órgãos ambientais, do Ministério Público - que muitas vezes consegue na Justiça a paralisação de obras de usinas -, um consenso em relação a necessidade de investimentos em geração de energia hidrelétrica. "Somos um país com um potencial de hidreletricidade gigantesco, ainda muito por ser explorado, então não se justifica entraves que muitas vezes são decorrentes de questões ideológicas, que acaba por obrigar a geração de energia a ser focada em fontes mais poluidoras como o carvão e outras usinas térmicas", apontou.

De acordo com o Comitê Brasileiro de Barragens, o Brasil tem o terceiro maior potencial hidrelétrico do mundo, de cerca de 245 GW, perdendo apenas para a China e Rússia. Desse potencial, apenas um terço foi aproveitado. "É nosso dever estimular um amplo debate nacional a respeito da gestão dos recursos hídricos do país, de modo a evitar um iminente subaproveitamento das potencialidades hídricas nacionais, principalmente no que se refere à geração de energia elétrica. O país está deixando de lado seu imenso potencial hídrico, o terceiro maior do mundo, quando precisa armazenar energia para atender à demanda cada vez maior", observou Erton Carvalho, presidente do Comitê. Isso porque as hidrelétricas tem tido imensa dificuldade para conseguir licenciamento ambiental nos órgãos competentes e, quando conseguem, inúmeras vezes tem suas obras paralisadas devido a ocupações indígenas e questionamentos do Ministério Público. A Empresa de Pesquisa Energética está desde o ano passado tentando licitar a hidrelétrica de São Manoel (MT, 700 MW), mas não consegue obter a licença prévia do empreendimento nem realizar as audiências públicas necessárias. A previsão é que a usina seja licitada no leilão A-5 de dezembro desse ano, mas essas barreiras ainda precisam ser vencidas.

É preciso consenso com relação aos investimentos

Alexei Vivan, da ABCE

Segundo Carvalho, desde que os reservatórios ganharam status de "vilão ambiental e social", eles deixaram de ser considerados no planejamento energético brasileiro. "As usinas a fio d'água ficam à mercê da vazão dos rios e a estiagem que se viu no ano passado foi bem preocupante. Já as fontes alternativas - eólica, solar e biomassa - são complementares e não garantem o abastecimento. Diante desse cenário, para a geração firme restam apenas as térmicas a carvão, óleo, gás e nucleares, muito mais caras e poluentes", afirmou. Em contrapartida, ainda na opinião de Carvalho, os impactos ambientais causados pela construção de reservatórios de acumulação são, em grande parte, mitigáveis a níveis toleráveis ou até mesmo reversíveis.

Ele lembra que o armazenamento de água para geração de energia é apenas uma das finalidades dos reservatórios de acumulação. Eles ainda garantem o abastecimento de água, saneamento, irrigação da agricultura, controle de cheias, transportes hidroviários, psicultura, turismo e lazer. "A produção de uva na região do Vale do São Francisco, no sertão pernambucano, só se tornou viável graças a utilização da água estocada no reservatório de Sobradinho para irrigação da agricultura local", exemplificou.

Os empreendedores de novas hidrelétricas vem aportando cada vez mais recursos para mitigar os impactos provocados pelas usinas, seja na questão ambiental, seja na social. A Santo Antônio Energia, responsável pela hidrelétrica de Santo Antônio, no rio Madeira, está investindo R$ 1,6 bilhão em projetos socioambientais. O valor representa cerca de 10% do orçamento total na hidrelétrica, estimado em R$ 16 bilhões. Carlos Hugo Annes de Araújo, diretor de Sustentabilidade da empresa, explica que do total do orçamento previsto para a área socioambiental, R$ 620 milhões foram investidos no remanejamento das populações rurais e urbanas. "Entenda por remanejamento tanto o que pagamos a título de indenização das propriedades que compramos para a implantação do reservatório quanto a compra de áreas de preservação permanente ou para a implantação de reassentamento das famílias que optaram por receber terras ou propriedades ao invés de indenização em dinheiro", comentou o executivo, acrescentando que com esse investimento é possível fazer duas boas PCHs.

Além disso, de acordo com Araújo, a Santo Antônio presta assistência às famílias por até três anos após a formação do reservatório para acompanhar o desenvolvimento e a consolidação da atividade econômica dessas famílias. Outro investimento de R$ 636 milhões foi destinados a programas socioambientais como, por exemplo, comunicação social e educação ambiental até programas de resgate de fauna, limpeza e supressão de vegetação no reservatório. Fizemos ainda estudos da qualidade da água e do comportamento dos sedimentos no rio Madeira. "No total, desenvolvemos um conjunto de cerca de 28 grandes programas ambientais, com base nos estudos ambientais e no Projeto Básico Ambiental", apontou.

Outro bloco de compensações, ainda de acordo com o diretor da Santo Antônio, são os das compensações sociais diretas no Estado de Rondônia e nos municípios, que montam R$ 264 milhões. "Foi feito um estudo muito cuidadoso de atração de população em função da implantação do empreendimento e como essa atração poderia impactar o serviço médico da cidade, a educação, a segurança. A partir daí, conversamos com o estado e com a prefeitura. No município, aumentamos em 6 mil as vagas nas escolas, além disso, acrescentamos na capacidade de consultas médicas em postos de saúde cerca de 800 consultas por dia àquelas que já vinham sendo realizadas", exemplificou.

R$ 1,6 bi em investimentos socioambientais

Carlos Hugo, da Santo Antônio Energia

Na hidrelétrica de Belo Monte, a maior em construção no país, os investimentos são ainda maiores. De acordo com João Pimentel, diretor Socioambiental da Norte Energia, o montante chega a R$ 3,9 bilhões, que representa cerca de 13% do total do investimento da usina. Segundo ele, apesar do empreendimento não alagar nenhuma terra indígena, ele será o primeiro projeto de grande porte que tem um Projeto Básico Ambiental do componente indígena, abrangendo cerca de 36 aldeias de 12 terras indígenas. "Aproximadamente R$ 1 bilhão já foi empenhado em projetos na região da usina", calculou.

A Norte Energia ainda faz um estudo permanente de monitoramento de peixes. No projeto da barragem da usina no sítio Pimental está prevista uma escada de peixes para facilitar a subida dos peixes no rio na época da Piracema. A hidrelétrica de Santo Antônio, no Rio Madeira, também contará com um mecanismo de transposição de peixes. "A vazão da volta grande do Xingu, ao contrário do que diziam, não vai secar. Ela vai continuar dentro de níveis bastante aceitáveis, melhorando inclusive os níveis de seca que existem hoje na região. Ela vai ser controlada mediante vertedouros que vão existir no sítio Pimental", comentou Pimentel.

Ele disse ainda que a ideia da empresa é fazer na região de Belo Monte o mesmo que foi feito pela hidrelétrica de Itaipu no Paraná. Todas as cidades no entorno de Itaipu tinham um índice de desenvolvimento humano muito baixo. "Hoje, depois de Itaipu estar lá há alguns anos, todos esses municípios tem um IDH superior a média do estado do Paraná, que já é bastante alta. No Pará, onde fica Belo Monte, a gente já pode observar que a construção de postos de saúde, de projetos na área de educação, reforma de hospitais, construção de estradas, tudo isso deve contribuir bastante para que aquela região se desenvolva e se torne um local ainda mais seguro do que é hoje", avaliou o diretor.

Essa melhora na qualidade de vida da população do entorno das hidrelétricas e dos municípios vizinhos é reconhecida pela diretora de Infraestrutura Inteligente para a América Latina da Organização Não Governamental The Nature Conservancy (TNC), Ana Cristina Barros. Segunda ela, o país precisa de energia e a energia hidrelétrica tem vantagens em relação a outras formas de geração. No entanto, ela acredita que os empreendedores ainda tem um caminho a seguir para que os projetos hidrelétricos sejam melhores. "Tem muitos avanços e ninguém está falando em reinventar o processo. As empresas estão mais alertas, o governo está tentando acertar e essa necessidade de conciliar as agendas está presente na cabeça de todo mundo", apontou.

Projeto Básico Ambiental do componente indígena

João Pimentel, da Norte Energia

Ela lembra que a hierarquia da mitigação tem algumas etapas. Primeiro, é necessário um bom planejamento para calibrar os seus planos e compatibilizar o interesse de um obra com as condições do local. Numa segunda etapa, se faz um bom processo de licenciamento para minimizar ainda mais os impactos ou eventualmente recuperar alguma coisa que ainda possa ser recuperada. "Resulta daí o impacto inevitável. E, nessa hierarquia, ele é compensado. Só que a gente tem hoje um planejamento ainda deficiente. Temos que considerar, por exemplo, que o planejamento do setor elétrico, é feito com base nos inventários, que só recentemente começaram a incorporar a variável ambiental e de uma forma muito incipiente", comentou.

Ana Cristina avalia que é importante na hora de se avaliar o potencial de geração de energia, avaliar também o contexto, se tem terra indígena ou se o empreendimento fica em terra indígena, se tem unidade de conservação, se existem outros usos da água, entre outros fatores. "Por que falar em hidrelétrica versus hidrovia, versus projetos de irrigação? Isso tudo poderia estar muito melhor apresentado nos inventários. Acho que essa parte do planejamento tem que ser melhorada", observou. Ele avaliou ainda que a empresa de engenharia que é contratada para fazer o estudo de impacto ambiental não se aprofunda. "Ela faz o mínimo possível e esse mínimo são milhares de páginas que acabam sem utilidade. O processo de EIA/Rima precisa ser melhorado com certeza", defendeu a diretora da TNC.

Além dos investimentos realizados pelo empreendedor nos locais afetados pela usina, os municípios e o estado onde ela fica localizada recebem royalties durante toda a vida útil do empreendimento. A Compensação Financeira pelo Uso dos Recursos Hídricos (CFURH), em diversos casos, aumenta em muito a receita dos municípios e até do estado onde a usina fica localizada. De acordo com Marcelo Moraes, do FMASE, em 2012, só a título de CFURH foram repassados R$ 2,2 bilhões, sendo que 45% vai para os estados atingidos; 45% para os municípios; e 10% para a União repassar para agências, ministérios e o Ibama.

EIA/Rima ainda precisa ser melhorado

Ana Cristina Barros, da TNC

"O que acontece é que grande parte desses recursos não são revertidos para as questões socioambientais, porque os estados e os municípios podem usar esse recursos como quiserem, exceto para pagamento de dívidas e de pessoal", comentou Moraes. Para Ana Cristina, da TNC, o planejamento também tem que estar compatibilizado com o fluxo de recursos que a região terá. "O que adianta construir uma escola, se não tem professor?", questionou. Para ela, é importante que se olhe as necessidades de cada localidade e que as ações sejam feitas de forma responsável, planejada, e que os municípios e estados dêem continuidade ao que foi feito, visando a melhoria da qualidade de vida da população.

Atualmente, quando se fala em construção de hidrelétricas no Brasil, pensa-se apenas nos impactos negativos que a obra pode trazer ao meio ambiente e às comunidades que vivem em áreas próximas à usina. Mas, não se pode deixar de pensar no outro lado da hidrelétrica, que traz desenvolvimento para a região, abertura de postos de trabalho, melhoria da qualidade de vida de pessoas que estão à margem da sociedade. Qualquer obra causa impacto, a questão é ver se o impacto é realmente necessário ou se é possível reduzir e o inevitável tem que ser mitigado. "O setor elétrico é o mais responsável que existe nas questões socioambientais. Não existe nenhum outro setor na economia brasileira que tenha tanto respeito, que mitigue os seus impactos e que pague tantas compensações financeiras como o setor elétrico", apontou Moraes.

Vivan, da ABCE, diz que a entidade não defende a construção de hidrelétricas a qualquer custo, mas sim a conscientização da sua necessidade. "Essa é a principal fonte do país e tem que continuar a ser incentivada e, a partir daí, ter uma agenda positiva de como se fazer, percebendo os impactos e compensando-os de forma razoável", ponderou.

fmase

Hoje, o Fórum de Meio Ambiente do Setor Elétrico - FMASE conta com 19 entidades na sua formação, e é uma das principais vozes do setor para tratar das questões ambientais referentes aos empreendimentos de geração de energia.


Leia mais...

ABIAPE | Associação Brasileira dos Investidores em Autoprodução de Energia

SCN Quadra 4 Ed. Centro Empresarial Varig Sala 101 CEP: 70714-900 Brasília/DF
Tel/Fax: (61) 3326-7122 | E-mail: O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

 

abiape